Páginas

Pesquisar este blog

quinta-feira, 30 de junho de 2011

DERIVAÇÃO REGRESSIVA EM LÍNGUA PORTUGUESA


Por Cássio José
 
              Analisando o trabalho científico OS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE PALAVRAS NO POEMA ‘SOM’ de Carlos Drummond de Andrade, por Carlos Alberto Ribeiro Santa Rosa Júnior e José Gomes de Oliveira Filho, podemos fazer algumas considerações, inicialmente:
  • Quando se tem base mais afixo há o Processo de Palavras chamado de DERIVAÇÃO;
  • Quando se tem mais de uma base (geralmente duais), há o que chamamos de COMPOSIÇÃO.
      No que se refere ao processo de Formação de Palavras por Derivação, queremos destacar a Derivação Regressiva. Porém, é de suma importância trazer aqui, alguns pontos que consideramos julgar importante:
      O autor, claro, faz toda uma espécie de análise quanto ao Processo de Formação de Palavras observando alguns termos no poema de Drummond, como por exemplo: soneto, sonata, sonido, sonoro, curtição, dissonante, insondável, insolúvel, sonoterápico, classificando-os em Processos por Derivação ou Composição; através, justamente, do que queremos expressar de divisão ou quebramento morfológico dessas palavras.
      Quanto aos 19 exemplos analisados no poema SOM, destacamos aqui o exemplo de número 16 para a nossa observação morfológica:
Ex.16: sibildos
Som
Ressonante de sibildos
Som
   O próprio texto se expressa com esses termos:
  
“Analisamos este neologismo como sendo derivação regressiva, pois partimos do pressuposto de que Drummond se aproveitou da aproximação fonética com o substantivo deverbal sibilo-derivado regressivamente de sibilar - para criar sibildos derivado do verbo sibildar.”
    
 É importante para fins de estudo, a observação dos seguintes pressupostos:
* O que é neologismo?
* O conhecimento da derivação regressiva;
* O substantivo deverbal.
OBJETO DE ESTUDO
     Quando estudamos nos livros de Ensino Médio a Estrutura e Formação das Palavras, vemos que geralmente os autores abordam a identificação dos elementos formadores de palavras e o processo de formação delas. Temos então, os elementos ou unidades significativas, uma vez que eles dão alguma informação acerca da estrutura semântica ou classe gramatical das palavras (vocábulos).
      Na Língua Portuguesa, tratando-se da Estrutura das Palavras, temos os morfemas:
*1. Radical: Morfema responsável pelo significado básico da palavra.
*2. Desinências: Morfema responsável pelas flexões (pode ser NOMINAL ou VERBAL).
*3. Afixos: Morfema que se agrega a uma base, alterando-lhe o sentido e formando uma nova palavra (pode ser PREFIXO ou SUFIXO).
*4. Vogal Temática: Prepara a palavra para receber as desinências.
*5. Tema: É a soma do radical e vogal temática, ou seja, é a palavra pronta para receber as desinências.
EXEMPLIFICANDO:
1. MENIN- radical de menino.
2. menin- A/amá-VA-mos /amá-va-MOS.
3. I- legal/feliz-MENTE
4. cant AR/viv ER/sorr IR(1ª,2ª,3ª conjugação)
5. ama- tema do verbo AMAR.
    
Quanto ao processo de Formação das Palavras, temos principalmente dois processos: a DERIVAÇÃO e a COMPOSIÇÃO. No que se refere aquela, tem os seguintes tipos de derivação:
*Prefixal;
*Sufixal;
*Parassintética;
*Regressiva;
*Imprópria;
      Nesta, nós temos diferentes tipos de composição:
*Por Justaposição e
*Por Aglutinação.
      Além da derivação e da composição, a língua utiliza outros processos de palavras:
*Hibridismo;
*Abreviação vocabular;
*Sigla;
*Palavra Valise;
*Criação Semântica;
*Onomatopéia;
*Estrangeirismo;
*Neologismo;
      Observando o NEOLOGISMO, geneticamente são palavras novas, “inventadas”, que se formaram por meio de um dos processos de Criação Vocabular. Temos como exemplo a própria palavra sibildos que além de ser neologismo é também, um exemplo de DERIVAÇÃO REGRESSIVA E SUBSTANTIVOS DEVERBAIS.
DERIVAÇÃO REGRESSVA E SUBSTANTIVOS DEVERBAIS OU PÓS-VERBAIS
      Segundo o dicionário de termos lingüísticos (organizado Por Marla Francisca Xavier e Maria Helena Mateus), derivação regressiva:
      É o processo de derivação em que, a partir da análise e redefinição da estrutura  morfofológica de uma unidade primitiva, se cria uma nova unidade lexial, foneticamente mais reduzida e de categoria gramatical diferente. A derivação regressiva generaliza um padrão de relação morfofonológica já existente numa dada língua. Ex: pescar(V) = pesca(N). (XAVIER e MIRA MATEUS; 1990:122).
      O minidicionário da Língua Portuguesa de Silveira Bueno define DEVERBAL da seguinte maneira:
s.m. (Gram.) Diz-se do substantivo que é derivado de verbo; pessoa verbal substantivada. Ex.: Caça, venda, compra. O mesmo que pós-verbal.    
Podemos considerar quanto ao que foi posto em questão, que no processo de derivação regressiva elimina-se um morfema para formar uma nova palavra. Muitos substantivos dessa forma são formados por derivação regressiva a partir de verbos. Eles são, assim, os substantivos deverbais, que dão nomes de ações. Exemplos:
Ataque= de atacar;
Canto= de cantar;
Fala= de falar;
Toque= de tocar;
Escreve= de escrever.
Por tanto, esses deverbais são os substantivos que regridem (há uma mudança de classe de palavras=substantivo para verbo?)dos verbos.Regressivo verbal.Pós-verbal.Regressivo.
Subsídios para Pesquisa:
Artigos pesquisados:
  • Os processos de Formação de Palavras no poema ‘Som’ de Carlos Drummond de Andrade, Por Carlos Alberto Ribeiro Santa Rosa Júnior e José Gomes de Oliveira Filho.
  • Deverbais em um texto Português do século XIV: considerações sobre o étimo. Natália de Deus dos Reis. Universidade Federal da Bahia (GD-IC/PIBIC/CNPq); Orientador: Américo Verâncio Lopes Machado Filho. Observação: apenas subsídio.
Bibliografia:
  • Pereira, Helena Bonito. Na trama do texto: Língua Portuguesa / Helena Bonito Pereira, Márcia Maisa Pelachin.- São Paulo : FTD, 2004.- (Coleção Delta)
  • Silveira Bueno : minidicionário da Língua Portuguesa. – Ed. rev. e atual. – são Paulo: FTD, 2000.

Nenhum comentário:

Postar um comentário